terça-feira, 3 de maio de 2011

sop(r)a vida

Coloca um pouco de sal, de pimenta e de a g r es são, por favor, preciso de um tempero a r d e n t e ! Quebra no a r (um) d e n t e! Rápido, por favor, eu quero algo a g r e, quero algo s ã o, chega de a l g od ã o. Mude a música no momento em que escrevo de olhos fechados para não ver o que me s o s s e g a ... s o u  c e g a, pois. Pois quase por um lado é um quase pelo outro, esqueceram? 

Vou pensar assim antes de dormir, quem sabe não acordo com uns v e r s o s prontos? V e r   s ó s pelo um ão de coisas pequenas, um vão de coisas amenas para ver antes. D e z  c o n t a m  o que eu sou, d e s c o n t a  o que eu tei, quem sabe assim você larga essa merda e para com essa porra de   s e r   t ã o   i n h a,    s e r t ã o   l i n h a   o que me deves: hectares enormes de solos inférteis, um bezerro faminto, pastos de pedras, uma panela pendurada na parede, pare de  s e r   t ã o   i n h a,     s e r t ã o   l i n h a   o que me deves: uma carroça velha, três crianças com esquistossomose, um beijo perdido de boa noite! Boa noite!

Um comentário:

Maíra D. disse...

Só pra vida
Só pra vir e dar um boa noite!